VILA REAL É A CIDADE DO FUTURO

forum bio A Câmara Municipal de Vila Real acaba de disponibilizar neste link  http://www.citab.utad.pt/networking/ as comunicações apresentadas pelos oradores no Fórum da Biodiversidade de Vila Real, que decorreu nos dias 21 e 22 de março de 2013.
Recorde-se que o Fórum reuniu no Teatro de Vila Real um conjunto significativo de especialistas em diversas áreas do conhecimento, focados na perceção do valor da biodiversidade para o futuro do desenvolvimento dos territórios, com especial destaque para Vila Real. Mamíferos, botânica, fauna, flora, dimensão humana, estratégias para o futuro, envolvimento da população, ordenamento do território, desertificação do interior, agricultura biológica, desenvolvimento regional, potencialidades da biodiversidade como negócio, foram alguns dos temas abordados, porém centrados num único objetivo: sair do âmbito académico e passar para ações concretas. E esta é a grande novidade saída deste Fórum da Biodiversidade. A Câmara Municipal de Vila Real tem já em marcha uma série de projetos a implementar para criar valor através da biodiversidade: como por exemplo biopercursos, turismo da natureza, ecoturismo de base comunitária, entre outras iniciativas que só valorizam Vila Real como destino da Biodiversidade.

“Autenticidade e inovação são as duas dimensões em que Vila Real tem vocação para evoluir”, destacou José Mendes, vice-reitor da Universidade do Minho, que é autor do livro “O Futuro das Cidades”. Vila Real e a região do Douro são consideradas exemplos de sustentabilidade, no âmbito de uma metodologia aplicada que destaca cinco dimensões de sucesso das cidades para serem competitivas: inovação, inteligência, autenticidade, sustentabilidade, conectividade.
Jorge Cebreiros, presidente da confederação espanhola de empresas TIC, alinha com este discurso, mas torna-o mais específico: é preciso pensar nas necessidades da cidade, centrando-a nos cidadãos. “As cidades de futuro são um projeto colaborativo, de inteligência coletiva”, afirmou, garantindo que é essencial que todos se envolvam e que esse é o grande fator de sucesso de uma cidade, pensando no que melhor se adequa a quem nela vive para a tornar sustentável. “A gestão eficiente dos recursos impõe grandes desafios tecnológicos e sociais e o conceito ‘smart’ nasce para dar resposta a estes desafios, mas o seu desenvolvimento deve estar centrado nos cidadãos e basear-se numa reflexão profunda sobre conceitos como território, tecnologia e inovação”, esclareceu. De referir que Jorge Cebreiros lançou um desafio aos participantes do fórum, sobre os reptos que se colocam a Vila Real e a visão que aqueles têm desse território. Os resultados dessa participação são apresentados através de uma representação gráfica em forma de nuvem de tags e estão disponíveis conjutamente com as comunicações do fórum.
“Falar de biodiversidade é algo que todos têm de falar e preocupa-me conservá-la e otimizar recursos porque eles são ilimitados”, afirmou Francisco Amich, da Universidade de Salamanca, reconhecendo que este Fórum foi um importante “esforço para conservar”